ARPI

ARPI

O projeto europeu ARPI é resultado da experiência de 20 anos de intervenção da “Questão de Equilíbrio” – Associação de Educação e Inserção de Jovens (fundada em 1994), com crianças e jovens com comportamentos sociais desadequados e em situação de risco de exclusão social, utilizando um Modelo de Intervenção específico, elaborado pelo Professor Doutor Ricardo Martínez (um dos fundadores desta associação) que articula as Actividades de Risco Controlado com a Pedagogia Institucional.

Os resultados obtidos com este modelo, o conhecimento das dificuldades e constrangimentos que afetam um número significativo de instituições nacionais e europeias que trabalham com este público, fez despontar a ideia de apresentar uma candidatura ao programa europeu Leonardo da Vinci, com vista a dotar tais instituições de mecanismos, de métodos e recursos inovadores, que permitam um melhor desempenho dos profissionais das mesmas no acompanhamento dos jovens que lhe são confiados.

A escolha dos parceiros europeus surgiu de forma natural, resultado do conhecimento anterior dos mesmos, entre os muitos parceiros com que a “Questão de Equilíbrio” tem vindo a trabalhar desde a sua fundação (1994), por trabalharem na mesma área de intervenção e com públicos com as mesmas ou semelhantes características.

No caso específico da Escola de la Neuville, de Paris, a escolha deveu-se ao facto de ser uma instituição de referência no campo da Pedagogia Institucional, cujo conhecimento e contacto derivou do trabalho conjunto da Questão de Equilíbrio desde o ano 2000, com o Professor Jacques Pain da Universidade de Paris X – Nanterre, Departamento de Ciências Humanas, Sector Escola, Famílias, Terrenos Sensíveis.

Objectivos do projeto ARPI

Desenvolver, a partir da articulação da metodologia das Actividades de Risco Controlado com a Pedagogia Institucional, uma metodologia de âmbito europeu, na intervenção com jovens em risco, enriquecida pelas experiências dos parceiros nos seus diversos países, face a diferentes culturas e saberes das suas comunidades e dos públicos com que trabalham.

Aproveitar os conhecimentos e dinâmicas transversais de investigação e intervenção existentes em diferentes países EU.

Aumentar o nível de informação e formação dos profissionais da EU

Ajudar os participantes em formação a adquirirem e utilizarem novos conhecimentos e atitudes que facilitem a sua intervenção profissional / técnica, aumentando as sua competências no mercado de trabalho europeu.

Desenvolver novas competências que lhes permitam articular:

– Ação e Reflexão

– Planificação e Avaliação

– Intervenção Personalizada e Trabalho em equipa

Desenvolver competências técnicas no âmbito da:

– Experimentação e Disseminação de resultados;

– Articulação entre a aquisição de conhecimentos teóricos e sua aplicação prática;

– Recolha de informação local (nacional) e troca da mesma a nível europeu (transnacional);

Melhorar a qualidade da formação desenvolvendo processos de:

– aprendizagem dinâmica e a experimentação,

– avaliação e inovação / “redesenho” da intervenção.

Desenvolver competências de comunicação, particularmente entre países de diferentes línguas e diferentes culturas, potenciadas pela utilização de um suporte informático e pela obtenção de informações e resultados obtidos a partir da aplicação de um “novo modelo de intervenção”.

O projeto ARPI envolve três componentes:

– Teórica

– Prática (no terreno, na natureza,…)

– Avaliação / Auto – avaliação permanentes

Qual a Inovação do projeto ARPI?

Este projeto incentiva os profissionais envolvidos a uma intervenção focada no(as):

– Trabalho transversal / articulado de Profissionais das áreas:

Pedagogia, Social, Saúde Mental, Desporto;

– Utilização de Actividades Físicas na intervenção social /educativa;

– Processos de Avaliação e Auto – avaliação contínua (jovens e técnicos);

– Criação Produtos “consolidadores” das aquisições de competências (pelos próprios jovens envolvidos);

– Reforço das Redes Locais de Parceria